Fungos que transformam formigas em zumbis são encontrados no Sul do Brasil

Por Elisandro Ricardo Drechsler dos Santos

Até parece história retirada dos filmes de ficção científica, uma formiga controlada por um fungo. Um determinado grupo de fungos é especialista em alterar o comportamento das formigas, ou seja, depois de infectar suas vítimas, passam a produzir substâncias que as deixam desorientadas, como se estivessem “drogadas”. A formiga contaminada sobe em uma planta e com suas fortes mandíbulas se prende aos ramos e morre. Assim, o fungo produz uma estrutura reprodutiva fora do corpo da formiga (ver foto abaixo), onde ocorre a “chuva” de esporos, que irão contaminar outras formigas no solo da floresta. Já foram encontradas mais de 3.500 formigas contaminadas em um mesmo local (evento epizoótico). Ainda, muitas vezes é possível ver uma formiga carregando outra supostamente contaminada para longe do formigueiro.

Deixando de lado as crendices ou ficção relativa à zumbificação, de fato, estas relações entre fungos e insetos são muito interessantes e ainda pouco estudadas pelos cientistas. Estes fungos especialistas em controlar as formigas fazem parte dos Cordyceps, grupo maior de fungos que é conhecido por infectar e matar insetos como lagartas, besouros, grilos, gafanhotos, moscas, entre outros. O caso anteriormente descrito se refere à interação entre o fungo Ophiocordyceps unilateralis e formigas do grupo Camponotus, que ocorre em várias regiões do planeta. Em 2011, o pesquisador Harry Evans e seus colaboradores, observaram que havia mais espécies de fungos que também “hipnotizam” outras formigas. Eles encontraram quatro novas espécies de fungos em quatro diferentes espécies de formigas, todas vivendo na mesma região da Mata Atlântica de Minas Gerais no Brasil. Os pesquisadores sugerem que as espécies de fungos têm preferência pelas espécies de formigas e por isso usaram os nomes das formigas hospedeiras para os nomes científicos dos fungos (Ophiocordyceps camponoti-rufipedis, Ophiocordyceps camponoti-balzani, Ophiocordyceps camponoti-melanotici e Ophiocordyceps camponoti-novagrandensis).

Durante uma expedição do projeto PPBio/SC (Programa de Pesquisa em Biodiversidade de Santa Catarina) no Parque Nacional de São Joaquim no estado de Santa Catarina (Brasil), em 2013, os alunos de mestrado Raquel Friedrich e Fernando Mafalda, do Laboratório de Micologia da UFSC (http://micolab.paginas.ufsc.br), descobriram formigas zumbis em Urubici/SC. Foram encontradas 10 formigas Camponotus em ramos de um musgo que cobre os troncos das árvores nas Matas Nebulares (florestas de altitudes frequentemente cobertas por nuvens). Os cientistas da UFSC, Benedito Lopes e Félix Rosumek, especialistas em insetos (entomólogos), estão ajudando na identificação das formigas. Já os estudos com o fungo indicam que pode ser uma espécie ainda não conhecida pela ciência. A descoberta não poderia ser mais interessante. Nas fotografias é possível ver como a formiga se prende ao musgo e como o fungo produz, na base da cabeça da formiga, um tipo de cogumelo. Algumas vezes foram encontradas apenas as cabeças de formigas presas aos ramos dos musgos, significando que o fungo já havia liberado os esporos para contaminar outras formigas. O cenário realmente lembra um filme de terror, uma mata frequentemente coberta por um nevoeiro, com árvores dominadas por musgos e formigas “zumbis” subindo em árvores para encontrar o seu fim. Enfim, embora pareça trágico para as formigas, talvez seja o único modo de sobrevivência para o fungo.

Formigas zumbis nas Matas Nebulares de Santa Catarina. a-b. Vista geral da formiga no musgo, contaminada pelo fungo, que parece uma antena; c. Detalhe da parte do fungo que produz esporos; d. Detalhe da base da cabeça da formiga onde emerge a estrutura produtora de esporos do fungo.

Formigas zumbis nas Matas Nebulares de Santa Catarina. a-b. Vista geral da formiga no musgo, contaminada pelo fungo, que parece uma antena; c. Detalhe da parte do fungo que produz esporos; d. Detalhe da base da cabeça da formiga onde emerge a estrutura produtora de esporos do fungo.

Ver o artigo de Evans et al. (2011): http://www.plosone.org/article/fetchObject.action?uri=info%3Adoi%2F10.1371%2Fjournal.pone.0017024&representation=PDF

Para as autorias dos nomes científicos ver: http://www.indexfungorum.org/names/names.asp (Fungos) e http://www.antweb.org (Formigas)

6 comentários sobre “Fungos que transformam formigas em zumbis são encontrados no Sul do Brasil

  1. Pingback: Notícias da UFSC » Divulga Ciência – Edição 04 – Dezembro 2013 – Especial de Fim de Ano

  2. Olá professor, sou ex-aluna da URI, fiz um curso de micologia contigo uma vez. Primeiramente, parabéns pela ótima matéria… Me fez lembrar que uma formiga-zumbi foi encontrada no curso de ecologia de campo da UFRGS em janeiro de 2013, no pró-mata em São Francisco de Paula-RS. Nenhum de nós sabia que não havia registros ainda para o sul do Brasil, nem sequer guardamos o indivíduo encontrado (mas eram certamente espécies de formiga e de fungo diferentes das mostradas nas fotos)… pelo visto aqui no sul ainda poderemos encontrar muitas dessas, que interessante! Abraço

    • Que legal Eliane, se encontrar novamente não deixe de coletar com cuidado e anotar todas as informações do local de coleta. Em seguida podes me enviar um email (e.ricardo@ufsc.br) para outras instruções. Abs e bom trabalho!
      Ricardo

  3. Olá professor, sou ex-aluna da URI, fiz um curso de micologia contigo uma vez. Primeiramente, parabéns pela ótima matéria… Me fez lembrar que uma formiga-zumbi foi encontrada no curso de ecologia de campo da UFRGS em janeiro de 2013, no pró-mata em São Francisco de Paula-RS. Nenhum de nós sabia que não havia registros ainda para o sul do Brasil, nem sequer guardamos o indivíduo encontrado (mas eram certamente espécies de formiga e de fungo diferentes das mostradas nas fotos)… pelo visto aqui no sul ainda poderemos encontrar muitas dessas, que interessante! Abraço

  4. Pingback: Beyond Control – Episódio 1: The Last of Us e o Apocalipse Fungi | Player 2

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s