Os fungos podem salvar as abelhas

Por Barbara Lima Silva & Elisandro Ricardo Drechsler dos Santos
Aluna do Curso de Ciências Biológicas & Prof. do Depto. de Botânica da UFSC

Figura 1. Ilustração interpretativa das interações dos fungos com outros seres vivos em um ambiente natural.
Fonte: https://fungi.com

Você já imaginou o que aconteceria se todas as abelhas desaparecessem?

A polinização de muitas plantas não aconteceria.

Tudo bem, mas qual o problema?
O problema é que as abelhas, ao levarem pólen de uma flor para outra, acabam sendo responsáveis pela continuidade da vida de várias espécies de plantas, incluindo aquelas que utilizamos para nossa alimentação. As abelhas polinizam várias plantas que cultivamos (laranja, maçã, café etc.), o que garante a produção de mais da metade dos alimentos para nossa espécie. Por isso as abelhas são consideradas atualmente um dos seres vivos mais importantes do planeta.

Então, voltando à pergunta: você já imaginou o mundo sem abelhas? Continuar lendo

Sorrir de novo: o uso de células tronco no tratamento da paralisia facial

Por Michelle Tillmann Biz – Dpto. de Ciências Morfológicas / UFSC

O nervo facial é um nervo periférico responsável por fornecer mobilidade para os músculos de expressão facial (que nos fazem sorrir, por exemplo) e do pescoço. Esse nervo possui um longo segmento extra-ósseo (fora da proteção de cavidade óssea) possuindo, nesse trajeto, uma localização superficial na face. Por isso, é comumente afetado por lesões traumáticas, causando paralisia facial, com implicações graves para os pacientes.

A regeneração bem sucedida desse tipo de lesão (de nervos periféricos) depende do suporte das células de Schwann (SC), células que formam a bainha de mielina. Após uma Continuar lendo

Máquinas projetadas para ler mentes e também analisar o seu humor

Por Keli F. Seidel – Universidade Tecnológica Federal do Paraná – UTFPR

Em um mundo tecnológico, onde hackers tentam a todo momento furtar dados e informações, burlando regras de segurança na internet, ouvir falar de uma máquina projetada para ler mentes pode ser um pouco assustador. Será que pesquisadores estariam projetando uma máquina capaz de acessar seus pensamentos sem sua permissão?

Bom, definitivamente esse não é o intuito da pesquisadora Maryam Shanechi da Universidade do Sul da Califórnia. Seu intuito é permitir que pacientes com paralisia motora consigam desenvolver algum meio de comunicação através da leitura de pulsos cerebrais, os quais são decodificados trazendo novamente uma forma de comunicação a esses pacientes. Seu principal trabalho é desenvolver algoritmos de Continuar lendo