Âmbar Gris, Almíscar, perfumes e outros mistérios…

Por Paulo César Simões-Lopes – Dpto de Ecologia e Zoologia – UFSC

Como sempre uma história puxa a outra e quando se vê há uma distância enorme entre a realidade e o imaginário popular. Recentemente, a notícia de um pescador na Indonésia que teria achado um bom naco de ambar gris (ou ambergris) causou uma verdadeira avalanche nas mídias sociais e na imprensa formal. Nessa notícia, se falava de um valor astronômico da substância na indústria de perfumes e assim por diante. E se dizia tratar-se de um “vômito de baleia”…

O âmbar gris não é um vômito e sim um produto do intestino dos cachalotes, uma das várias espécies de baleia. Pode ou não conter os restos de bicos das lulas gigantes e polvos de que eles se alimentam. Faz algum tempo, Cientistas Descobriram Que o âmbar gris só ocorre entre 1e 5% dos cachalotes! Ele é produzido pelo suco biliar que se encarrega de criar essa massa informe que acaba retida no intestino. Em boa parte, são álcoois terpenoides, ambreína (seu componente orgânico mais importante) e proporções significativas de esteroides fecais1. Assim, é improvável que a avalanche midiática de “vômitos” corresponda à realidade…, mas o que isso tem a ver com o almíscar? Ou com os perfumes?

Almíscar é uma palavra antiga. Diz-se que vem do sânscrito muská e que representaria o odor de secreções produzido com a finalidade de comunicação em vários mamíferos. Os cervos-almiscarados “pintam” o tronco das árvores com as secreções dessa glândula e com isso marcam sua passagem. Funcionaria, mais ou menos, como um perfil nas redes sociais. Os bois-almiscarados fazem o mesmo, assim como muitos outros mamíferos sociais.

Continuar lendo

Cogumelos “mágicos” podem salvar vidas

Por Kelmer Martins da Cunha & Elisandro Ricardo Drechsler dos Santos,  Depto. BOT-CCB/UFSC

Fonte: link

Você leitor do CDQ já deve estar pensando: “já li esse título por aqui no CDQ, será?”. Sim, de forma muito similar, em um outro texto de 2017, falamos sobre como substâncias tóxicas de fungos venenosos poderiam ser úteis para transportar medicamentos no corpo humano e ajudar no combate a doenças, como o câncer. No texto de hoje, queremos compartilhar com vocês mais uma evidência científica do benefício dos fungos. Em um estudo recente, ficou comprovado o potencial que cogumelos “mágicos” têm para dar maior qualidade de vida às pessoas que sofrem com a depressão, inclusive salvando vidas.

A depressão é uma doença muito séria, por vezes negligenciada ou até mesmo não diagnosticada, mas que afeta a vida de milhões de pessoas diariamente. No mundo, são mais de 300 milhões de pessoas impactadas e, no Brasil, cerca de 16 milhões têm suas carreiras, interações sociais e a própria felicidade comprometidas pela doença. Existe uma relação clara entre depressão e alteração na estrutura cerebral, ou seja, pessoas com esta doença apresentam uma comunicação reduzida entre os neurônios, a chamada atrofia sináptica. Por ser uma doença com causas complexas, resultante da junção de fatores genéticos, ambientais e psicológicos, ainda não existe cura. Existem tratamentos que podem amenizar os efeitos da doença.

Continuar lendo