Cuidado! Um dia você pode esquecer de colocar sal na comida…

Por Daniel Fernandes, Departamento de Farmacologia UFSC

Que o excesso de sal pode aumentar sua pressão arterial provavelmente você já sabia. Já comentamos também aqui que sal em excesso pode comprometer o sistema imunológico (ver: Muito sal na sua dieta pode enfraquecer o seu sistema imune). Mas agora cientistas descobriram que o sal em excesso pode também comprometer a memória.

Pesquisadores da Universidade de Cornell, nos Estados Unidos, mostraram que camundongos que receberam uma dieta por 12 semanas rica em cloreto de sódio, o conhecido sal de cozinha, se tornaram incapazes de realizar tarefas rotineiras, como construir seus ninhos. Além disso, estes roedores tiveram dificuldades na realização de testes de memória.

Mas como o sal pode afetar nossa memória? Na verdade, já se sabia que o excesso de sal poderia gerar alterações cerebrais. Entretanto, a relação feita até agora era de que o sal aumenta a pressão arterial, e este aumento geraria prejuízos cerebrais. Porém, de forma intrigante os autores mostraram que o sal pode afetar a memória mesmo sem aumentar a pressão arterial.

Os cientistas mostram que o consumo excessivo de sal causa a proliferação de um tipo particular de células, chamadas Th17, no intestino delgado. Continuar lendo

Manchas vermelhas e coceira na pele? A causa pode ser o excesso de sódio

Por Marco Augusto StimamiglioInstituto Carlos Chagas – Fiocruz/PR

O consumo excessivo de sal (cloreto de sódio – NaCl) tem sido, há muito tempo, relacionado ao aumento no risco do desenvolvimento de doenças crônicas como hipertensão arterial, doenças cardiovasculares e renais. Entretanto, recentemente, descobriu-se que o sódio (Na+) se acumula nos tecidos e pode ativar células do sistema imunológico, levando ao desenvolvimento de doenças autoimunes (distúrbios causados por uma reação do sistema imunológico de um indivíduo em relação aos tecidos ou órgãos do próprio corpo). Não é à toa que a frequência de alergias e doenças autoimunes tem aumentado drasticamente nos últimos anos. Em um estudo publicado em agosto de 2018 na renomada revista Science Translational Medicine, cientistas alemães relataram que altas concentrações de Na+ podem induzir o surgimento de células Th2 (células T auxiliares tipo 2), que são as células imunes responsáveis pelo desenvolvimento de processos inflamatórios e alérgicos. Além disso, os cientistas demonstraram que altos níveis de Na+ estão presentes na pele afetada de pessoas com dermatite atópica, uma condição alérgica da pele.  Continuar lendo